quinta-feira, 16 de março de 2017

Conselho de Administração da Santa Casa e prefeito Campaner chegam a um acordo

O Blog do Ronco foi convidado pelo Provedor da Santa Casa de Ribeirão Bonito Marcel Rofeal, a participar da reunião com o Conselho de Administração da entidade. Como o prefeito Chiquinho Campaner(PSDB) compareceu, aproveitamos a oportunidade para uma entrevista EXCLUSIVA.
Reunião do Conselho de Administração da Santa Casa, com a chegada inesperada do prefeito de Ribeirão Bonito Chiquinho Campaner(PSDB)

O Provedor da Santa Casa de Ribeirão Bonito Marcel Rofeal, convocou o Conselho de Administração da entidade em caráter extraordinário para discutir um fato ocorrido na manhã desta quinta(16) no escritório da Santa Casa. Marcel ao abrir os trabalhos, às 15h00, antes de falar do principal assunto, disse que o provedor titular da entidade, Moacir Nunes da Silva, esteve ontem na Santa Casa onde prometeu que hoje daria uma resposta quanto a sua continuidade no cargo ou não. Até o momento da reunião, Moacir não havia respondido.

O outro assunto mais importante da pauta foi relatado pelo Marcel: "O mais urgente que eu vejo é o episódio que aconteceu hoje de manhã aqui, que é mais uma demonstração de destempero por parte do prefeito que chegou aqui e ofendeu as funcionárias e a entidade. Então enquanto provedor, ainda que interino, eu volto a repetir, o meu papel, a minha obrigação é defender a Santa Casa e não admitir que isso aconteça”, disse Marcel. Duas funcionárias, visivelmente abaladas e que estavam presentes à reunião confirmaram que o prefeito Chiquinho Campaner(PSDB) e o Chefe de Gabinete Edmo Marchetti estiveram no escritório da Santa Casa e que o chefe do Executivo estava realmente alterado.

Antes mesmo da chegada do prefeito Campaner, viu-se por bem não tomar nenhuma medida que pudesse piorar ainda mais as discussões entre Santa Casa e Prefeitura. Ficou claro que todos os integrantes do conselho apoiaram as funcionárias. Marcel disse que a intenção dele como provedor sempre foi o de abrir canal de diálogo entre Santa Casa e Prefeitura.

Marcel ainda relatou que o “destempero” do prefeito com as funcionárias teria ocorrido em função da elaboração de uma planilha financeira da entidade. Após alguns minutos de andamento da reunião, o prefeito Chiquinho Campaner chegou de surpresa e acabou participando da reunião.

Diferenças Financeiras Encontradas
A diretoria da Santa Casa se reuniu por duas outras vezes para analisar balancetes  e os repasses financeiros provenientes da prefeitura. Chegou-se a conclusão de que realmente nos meses de novembro e dezembro de 2016, portanto na gestão do ex-prefeito Wilson Forte Junior, houve repasses inferiores aos costumeiros. Na última reunião, até mesmo o assessor de compras e licitação da prefeitura Danilo Elias, ficou convencido de que houve diferenças e sugeriu que fossem revistos os balanços para que pudesse levar o assunto à prefeitura.

O prefeito Campaner, nessa reunião, após exaustivas demonstrações de um dos membros do conselho, parece ter entendido que a Santa Casa era credora de certo valor. Ainda não se sabe com precisão, porém estaria na casa dos R$ 500 ou R$ 600 mil.  Campaner pediu para que fossem levantados minuciosamente esses valores e marcasse uma nova reunião com o conselho.

O prefeito Campaner se comprometeu a aportar à entidade os valores que forem encontrados e devidamente comprovados. Chiquinho disse que continuará repassando os valores combinados e se for comprovado que foram repassados valores a menor, esse total  seria reposto de acordo com o caixa da prefeitura e pela ordem de prioridade de pagamentos dos compromissos da entidade.

Chiquinho compreendeu a falha no repasse e disse: “O que acontece... deveriam ter clareza(administração anterior) de falar que não tinham dinheiro para repassar para a instituição. A hombridade suficiente”. Deu exemplo que a administração anterior chegou a adiantar pagamento a certa empresa terceirizada, o que deveria ser feito a posteriori, mas para a Santa Casa teria deixado de pagar. “ A minha função é resolver o problema...vamos corrigir o buraco”, disse Campaner.

A prefeitura repassa um valor à Santa Casa por conta de um contrato de gestão. Esse valor é para pagar os médicos dos PSFs e despesas do Pronto Socorro, ou seja, da área da saúde do município. Fora essas despesas, a Santa Casa necessita de recursos para a própria sobrevivência, sendo que o SUS repassa somente algo em torno de R$ 40 mil.
“Não sou Papa Francisco e nem São Francisco de Assis, não faço milagres, estou administrando uma massa falida(Ribeirão Bonito)”, disse Chiquinho. Segundo Campaner as surpresas com contas a pagar não param de chegar, citou esse problema da Santa Casa, da empresa Bandeirantes de asfalto e uma sentença condenatória de um ex-funcionário.

Coleta de lixo da cidade
Segundo o prefeito, hoje a prefeitura paga para os serviços de coleta de lixo mensalmente, R$ 22 mil. Chiquinho Campaner disse que será obrigado a terceirizar esse serviço que custará aos cofres públicos um valor aproximado a R$ 55 mil, para a mesma tarefa..

Reajuste do funcionalismo público
O prefeito prevê um aumento ao funcionalismo público da ordem de 4,68%. Segundo o prefeito o impacto será de R$ 60 mil a  mais na folha de pagamentos.

Segurança Pública
Questionado se a prefeitura era a favor da Operação Delegada da Polícia Militar, Campaner disse que não é favor, pois segurança pública estaria a cargo do Estado e não do município. Insistimos na pergunta se contrataria a Operação Delegada da PM em Ribeirão Bonito, foi taxativo que não.

Médicos e Saúde
Chiquinho Campaner disse que tem  médico de segunda classe que recebe R$ 4.950 da prefeitura e que tem médico especialista que ganha R$ 10 mil para trabalhar três vezes por semana para trabalhar 1hora e meia. “Especialista em que? Em levar dinheiro!”, disse Campaner. “Ninguém tem coragem de falar a verdade em Ribeirão Bonito. Especialista em levar dinheiro embora”, completou Campaner.

Disse que tem um profissional médico, que fez um relativo abandono, uma grevinha branca. Segundo o prefeito, teria abandonado o posto. "Ele vai ser cortado de médico à distância", disse Campaner. “Você sabe como se chama isso? Para melhorar a receita deles”, completou.

Citou um médico que deixou a cidade e que não se importou, pois esse médico ganhava algo em torno de 17 mil e que pelos mesmos serviços, estaria contratando um profissional por R$ 3.300 para fazer o mesmo trabalho.

De acordo com o prefeito, um parto em São Carlos pago particularmente sai mais em conta que manter dois pediatras na cidade. “Isto aqui é uma ferramenta para eles ganharem dinheiro”, disse o prefeito. “Vai se chegar onde é preciso fazer economia, a economia está neles”, completou.

Perguntamos se é intenção da atual administração fechar o CEM – Centro de Especialidades Médicas. Campaner disse que, se a Santa Casa tivesse estrutura para suportar alguns médicos que trabalham no CEM, deixaria somente o Centro Odontológico no prédio atual do CEM. “Sinônimo  de Saúde de Ribeirão Bonito é Pronto Socorro e Santa Casa, isso tem que estar socorrido, tem que estar amparado", disse o chefe do Executivo. “Eu me preocupo com Santa Casa e Pronto socorro, essa é minha preocupação”, disse Campaner.

Citou o caso de um médico que não cumpria horário, devidamente descrito em contrato, e que no dia do pagamento teria descontado uma certa quantia pelas horas não trabalhada. Hoje, segundo o prefeito, esse profissional chega 5 minutos antes do expediente e sai no horário correto.

Campaner comentou que os postos de saúde tem o seu funcionamento razoável e bem baratinho, e de acordo com a realidade. "Agora especializações? De que? Ninguém gosta de falar a verdade, ninguém gosta de mexer com médico”, completou Chiquinho.

De acordo com o prefeito Chiquinho Campaner foi criado em Ribeirão Bonito uma estrutura pesada sem previsão. Campaner negou que fecharia o CEM, mas que passaria por uma adequação e para isso teria que ter orientação capacitada para tanto. “Vou precisar canalizar recursos, a fonte é uma só”, disse o prefeito. “Uma cidade com 11 12 mil habitantes, o que tem que oferecer? Saúde básica...arrozinho e feijão", completou. “Aqui tem que ser salvo de qualquer maneira, é um atendimento de qualidade e presteza...eficiente”, disse se referindo à Santa Casa.

Médicos à distância
Claramente o prefeito não tem afinidade com essa modalidade de atendimento. Segundo Campaner quer encontrar apenas um médico para atender à distância. Perguntado como seria com os outros que trabalham da mesma forma, foi taxativo, “simples, acabou!”, disse.

Secretária da saúde
De acordo com o prefeito, a funcionária Regina Cano que recentemente entregou carta de demissão do cargo de secretária da saúde, teria sido muito elogiada pela DRS – Departamento Regional de Saúde. Perguntamos se já teria aceitado o pedido de demissão da Regina, Campaner disse que pretende ainda conversar com ela. Ainda disse que teria dois nomes para o cargo. Perguntei se o da ex-secretária Maria Eliza Alboleia seria um deles, e o prefeito disse que sim, elogiando o trabalho da Maria Eliza também. Campaner disse que gostaria que a Regina Cano permanecesse no cargo.

Pagamento dos médicos plantonistas do Pronto Socorro
Segundo Campaner, na próxima semana liquida a fatura.

Falta de remédios gratuitos
Campaner disse que realmente está faltando remédio pois não dispõem de recursos. Disse que será aberta uma licitação e tão logo sejam cumpridas todas as exigências legais, alguns remédios voltarão a ser distribuídos.

Água em Ribeirão Bonito
Uma nova empresa iniciou os trabalhos de manutenção e tratamento da água da cidade, desde a última segunda(13). A prefeitura através do departamento jurídico deverá nos próximos dias, ajuizar processo contra a empresa anterior que fazia esse serviço, pois segundo o prefeito, existem laudos conflitantes da empresa e do Instituto Adolfo Lutz. Ainda segundo o prefeito, há muito tempo que o Adolfo Lutz vem alertando para a qualidade da água da cidade. Outro motivo para ingressar na justiça, segundo Campaner, seria o fato da empresa vender os produtos do tratamento, o que não seria legal. O objetivo dessa ação seria o ressarcimento aos cofres públicos de todos os valores cobrados pela empresa.

Dinheiro em caixa da Prefeitura
Perguntamos se a prefeitura teria R$ 6 milhões em caixa, a resposta do prefeito é que se aproxima a esse valor, porém com recursos com destino definido. “Tem uma reserva financeira lá que eu peço para que não olhem para aquele dinheiro”, falou Chiquinho. Esse valor seria em torno de R$ 500 mil para solucionar de vez a falta de água nas Malvinas.

Tapa-buracos e recapeamento
De acordo com o prefeito Chiquinho Campaner, a prefeitura tem recursos para essas duas fases.

Pagamentos e resultados

Segundo Chiquinho foi um esforço tremendo fazer o pagamento da folha de janeiro de 2017 com valor de R$ 1.200 milhão. Em fevereiro foi diminuído o atraso para funcionários e em março foi pago no quinto dia útil. Foram pagos R$ 970 mil com fornecedores da gestão do ex-prefeito Wilson Forte Junior. Todas as compras que foram realizadas desde o início da gestão atual estão em dia, terminou Chiquinho Campaner.
Fotos: Ronco

Nenhum comentário: