domingo, 31 de janeiro de 2016

Avante "Palmeiras Solidário de Dourado"

Iniciativa de um palmeirense de Dourado engrandece a cidade onde mora e sua gente
O Casal palmeirense Angela e Dorival Munhoz

Sergio Ronco
Poucas vezes você ouviu dizer que em uma reunião onde estivessem torcidas de times de futebol diversas e, principalmente a do Palmeiras e do Corinthians juntas, não terminaria em discussão, no mínimo.

Pois então, na bucólica Dourado, cidade do centro do Estado de São Paulo isso é possível há anos, desde 1993. A ideia partiu do douradense apaixonado pela cidade onde nasceu e pela equipe que torce, o Palmeiras. Estou falando de Dorival Munhoz, um executivo que profissionalmente já percorreu vários países, por conta de sua profissão e de sua competência. A China foi a sua última parada até que definitivamente fincou suas verdadeiras raízes em Dourado, residindo atualmente em um bairro silencioso, arborizado e um pouco afastado do centro, o Jardim das Flores.
Jardim das Flores - Dourado

É na sua bela residência que recebe os amigos em um evento especial. Eu explico: sempre que o Palmeiras ganha um campeonato, seja ele qual for, Dorival promove uma festa em sua casa para comemorar o título vencido.  Nesta última recepção, no domingo(31), estiveram cerca de 40 pessoas, comemorando a Copa do Brasil, edição 2015. Essa tradição vem desde 1993, quando o Palestra sagrou-se campeão do Campeonato Brasileiro.
O varal palmeirense


A Comemoração
Cheguei por volta das 11h30 e logo na entrada da residência dava para perceber o gosto do Dorival e sua esposa Angela pela cor verde. Bexigas enfeitavam o portão principal, dando boas vindas aos visitantes. De longe avistei um mural muito bem decorado, com a bandeira do Palmeiras e algumas camisas da equipe.

Ao longo do gramado algumas barracas foram montadas com mesas e cadeiras e aproveitando a sombra de algumas árvores frutíferas, outros ambientes foram criados. Duas cozinhas davam  o suporte para a recepção, a da casa, e outra montada próximo à churrasqueira. Na cozinha interna uma macarronada preparada com molho do próprio tomate seguiu a tradição do time do coração. De acordo com a anfitriã Angela, uma caixa de tomates foi utilizada para o molho.
O belo gramado foi palco do encontro

Na churrasqueira, carnes diversas: carneiro, frango, carne bovina e linguiça. O ambiente em termos do bom gourmet não poderia ser melhor. A expectativa deste jornalista foi a de avaliar como a convivência dos diversos torcedores se daria durante o evento, uma vez que entre os convidados não havia apenas simpatizantes do verdão. A estatística nos mostra que palmeirenses e corintianos nunca se deram muito bem.

Pois bem, confesso aos amigos, que tive o privilégio de participar de uma reunião de verdadeiros amigos, independente da equipe dos quais torciam. O objetivo dessa festa, além da confraternização, foi angariar doações para as entidades locais, desta feita, cada convidado levou um pacote de fraldas geriátricas que serão doadas ao Asilo e APAE local. Há que se registrar que nos encontros do gênero, sempre teve o caráter solidário em prol de alguma entidade da cidade.

Fraldas que serão doadas às entidades da cidade

O convívio de torcedores rivais do Palmeiras e Corinthians, se desenrolou em clima de alegria e descontração total, mesmo porque a intolerância nunca existiu nos encontros.  Quem poderia imaginar que Carlos Plinio, torcedor incondicional do Palestra, pudesse executar um “batuque” em um instrumento grafado com o símbolo do Corinthians? Quem imaginaria, que na casa de um palmeirense roxo, como é Dorival, o maestro Tanaka pudesse entoar em seu trompete o hino do Corinthians? E ali estavam são-paulinos, como o Nenê do Cartório e o Jonas e santistas também. O que ocorre na casa do Munhoz, é um exemplo, que infelizmente vejo pouca possibilidade de ocorrer em estádios e fora deles também.

Que bom conversar com o Nenê do Cartório(corintiano) e ouvir as suas histórias de Dourado. Que bom dar boas risadas com o Marcelino(palmeirense), que bom ouvir o Malheirinho e a paixão que nutre por Dourado....Como foi bom.....muito bom de verdade.

A macarronada não poderia faltar...

O evento deste domingo teve o seu batismo, pois até então o encontro de campeões da amizade e da solidariedade, como podemos literalmente chamar, não tinha um nome. A partir de agora, passa a se chamar “Palmeiras Solidário de Dourado”. O nome foi aceito por unanimidade dos presentes.

Não sou torcedor do palmeiras, mas a iniciativa e a solidariedade que esse  grupo teve, terá sempre o meu respeito e a minha admiração, Avante "Palmeiras Solidário de Dourado"!!!

Bela tarde de domingo em Dourado (clique na imagem)


Veja mais fotos do evento:
 Fotos: Ronco 

3 comentários:

Ed. Fisica Turma 104 disse...

Dourado é uma cidade muito acolhedora, basta ver a simpatia do povo e a amizade que cada um nutre pelo outro, não é a toa que nossa cidade é chamada carinhosamente de "Cidade Coração", motivos de encontros e festivas são comuns por aqui, parabéns aos anfitriões Angela e Dorival e a você Ronco pela excelente matéria.
Evandro Miranda Gonçalves

Milton Antonio Bueno disse...

Faço minhas as palavras do Evandro, porém quero esclarecer que por um lapso , constou que sou corintiano. Tenho muitos amigos corintianos, porém, na realidade sou torcedor do São Paulo . Nenê :)

heitor failla disse...

Bom dia Ronco !
Já manifestei minha indignação por não ter sido lembrado pelo meu primo Dorival,palestrino que sou( acho que é a distância,moro em Mauá Grande ABC desde 1970).
Deixando as ironias de lado,constatamos que são momentos como esse que nos deixam a absoluta certeza de que viver vale a pena !!
Viva o Palestra,viva a vida,viva Dourado !!!!

Abraços do
Heitor Failla ( douradense ausente,mas com saudades)